Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > II Jornada de Integração: programação da tarde apresenta trabalhos de 21 unidades do Ifes
Início do conteúdo da página

II Jornada de Integração: programação da tarde apresenta trabalhos de 21 unidades do Ifes

Publicado: Terça, 27 de Novembro de 2018, 17h23 | Última atualização em Terça, 27 de Novembro de 2018, 17h50

Totens digitais para exibição de pôsteres se destacaram no pátio do Campus Cariacica.

Capa Matéria

A tarde desta terça-feira (27), primeiro dia da II Jornada de Integração do Ifes, contou com apresentação e exposição de centenas de trabalhos no Campus Cariacica do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes). Ao todo, alunos e servidores de 20 campi do Ifes e do Centro de Referência em Formação e em Educação a Distância do Ifes (Cefor) participaram da programação da XIV Jornada de Iniciação Científica, da II Jornada de Extensão e da I Jornada de Ensino.

As atividades de Ensino aconteceram nas salas para apresentação oral e no pátio do campus. Trinta e sete projetos e experiências de 13 campi diferentes foram apresentados no decorrer da tarde, nos eixos: Educação Profissional Técnica de Nível Médio, compreendendo vivências em cursos integrados, concomitantes e subsequentes; Educação de Jovens e Adultos, contemplando cursos FIC, Programa Mulheres Mil e Proeja; Cursos Superiores de Tecnologia e de Bacharelado, visando experiências com formação de profissionais para os diferentes setores da economia e áreas do conhecimento; e Formação de Professores, incluindo trabalhos de cursos de licenciatura e programas de formação pedagógica.

A Extensão apresentou as experiências em formato de rodas de conversa. Entre 13h e 14h30, a roda “Cultura e Educação” reuniu oito iniciativas de sete campi do Ifes. Já a roda de conversa “Tecnologia e Produção” contou com sete ações de três campi, além de um programa em rede. Entre 15h30 e 17h, aconteceram as rodas “Educação e Meio Ambiente”, com sete ações de seis campi; e “Educação, Tecnologia e Produção”, com sete iniciativas de quatro diferentes campi do Ifes

Ja a Jornada de Iniciação Científica contou com a apresentação de 234 trabalhos, de 14 diferentes campi do Instituto. As apresentações se dividiram entre orais e pôsteres digitais.

E-pôsteres

Uma das novidades desta edição da Jornada de Integração são os totens para exposição dos pôsteres em formato digital. Sua presença chamou a atenção dos participantes do evento. O servidor Leonardo Raasch Hell, do Campus Itapina, participou como avaliador de projetos apresentados por meio de pôsteres. Ele disse que não conhecia a nova tecnologia.

“Quando eu era estudante, participei de uma das primeiras jornadas e os pôsteres ou banners eram impressos pelos próprios alunos. Por isso, não tinham sequer a padronização do evento. Depois veio a impressão pelo Ifes, que ajudou a mudar um pouco o visual. Agora, esse avanço tecnológico tornou muito mais profissional a exibição”, elogiou.

A estudante Danieli Debona exibiu um trabalho chamado “Empreendedorismo feminino: estudo do perfil das empreendedoras na cidade de Venda Nova do Imigrante”, como atividade da Jornada de Iniciação Científica. Entusiasmada com o tema que escolheu para pesquisar, a estudante de Administração do Campus Venda Nova do Imigrante pretende seguir a carreira acadêmica. “Tratar do empoderamento da mulher como empreendedora é importante pra mim”, revelou. Danieli disse estar ainda mais feliz por apresentar seu pôster nos totens. “Já tinha visto, mas nunca tinha usado. Achei show”, opinou.

O diretor de Pesquisa do Ifes e presidente da Comissão Organizadora da Jornada, Sávio da Silva Berili, também não escondeu a satisfação com o formato de apresentações por meio dos e-pôsteres. “Além de estarmos (a comissão) empolgados com a realização de um evento que pela primeira vez integrou as áreas finalísticas num único momento, estamos muito felizes com essa inovação”, disse.

Ele revelou que o novo formato até traz algumas dificuldades para a organização do evento, mas que vale a pena a escolha, pelo resultado final. “Antes, o aluno ficava parado esperando o avaliador, que circulava entre os pôsteres. Agora, o avaliador é quem fica esperando o aluno, e para isso é necessária uma certa disciplina com a programação”, contou.

Ainda segundo Sávio, a preocupação com a sustentabilidade foi um dos motivos da escolha do formato. “Optamos por um modelo mais moderno, que dispensa as impressões”, disse.

registrado em:
Fim do conteúdo da página